Dólar Alto: Como ficam os duty free shops da fronteira?

Com tudo o que tem se falado sobre alta do dólar, subida de preços da gasolina e energia, as pessoas pararam de comprar e estão preocupadas com pagamentos de contas e com medo de ainda mais notícias negativas. Mas e os duty free shops e lojas do Uruguai e Paraguai como ficam? Será o fim das compras na fronteira?

Podemos dizer com certeza que esse mercado já está consolidado, são décadas de atuação e as lojas jamais seriam extintas. Em Rivera e outras cidades uruguaias, é normal a queda de procura, a cidade fica vazia, mas o mercado acaba se adaptando.

Li muitas matérias a respeito, é uma questão cultural. As lojas da fronteira já enfrentaram muitas crises durante todos estas décadas, mas as cidades hoje estão totalmente diferentes, novos serviços e facilidades estão sendo implantadas.

É difícil imaginar, mas as lojas já enfrentaram cotação do dólar de até R$ 4,00 e sobreviveram.

mulher-compras

Dólar Alto e Cota menor

Não é nem a alta do dólar ou crise na nossa economia, muito menos a redução da cota de isenção (em que será acrescentado uma cota adicional para os novos free shops do nosso lado), que está prometida para a metade do ano, que irão impedir qualquer crescimento do mercado nessas áreas.

Aos poucos os produtos importados acabam ficando mais caros no Brasil, e as pessoas acabam voltando a comprar na fronteira, pois ainda sim acaba sendo mais em conta. Tudo é uma questão de estabilização das cotações das moedas e uma nova onda de otimismo voltar.

A torcida é para que as coisas comecem a andar para uma solução rápida e possamos continuar fazendo viagens e compras nos free shops e lojas do Paraguai, Uruguai e até da Argentina, em Foz do Iguaçú.

Seja o primeiro a comentar em "Dólar Alto: Como ficam os duty free shops da fronteira?"

Comente isso

Seu e-mail não será publicado.


*